PERGUNTAS & RESPOSTAS

"Olá...faço uso de Topiramato 50mg(Amato) a 1 ano ,período esse indicado pelo meu neutro.Porém gostaria de saber como funciona a questão de se abandonar a medicação(no meu caso devido ao tempo que ele me prescreveu que foi de 1 ano)...ela deve ser gradativa, ou seja ,diminuindo as doses aos poucos ? Em caso de romper o tratamento de uma hora para outra o que pode haver de consequências?"

Boa tarde! Nos tratamentos neurológicos com medicamentos como o topiramato, tanto o aumento da dose quanto a sua diminuição e suspensão devem ser feitos de gradual. Este é um medicamento que pode ser utilizado para várias condições clínicas distintas, e o risco de sua descontinuação seria a recorrência dos sintomas da doença em tratamento. O importante é não descontinuar o medicamento sem orientação médica Faça o acompanhamento de forma regular, para que a suspensão seja feita em momento oportuno e seguro.Desejo sucesso em seu tratamento!Abraço!

"Meio comprimido de primidona para tremor essencial corta o efeito do Anticoncepcional?"

A primidona pode afetar sim o efeito da pílula contraceptiva! Sugiro que converse com seu neurologista e ginecologista sobre o assunto o quanto antes! Abraço!

"Tive uma crise ha 45 dias, desde entao estou com medo de ter outra e passo muito mal. Eu operei de MAV em 2009 com sucesso. A convulsao foi porque esqueci de tomar o remedio. Agora estou tomando carbamazepina de 200, 3 vezes ao dia e depakene de 250 duas vezes ao dia. Existe alguma perigo ainda?"

A falha no uso dos medicamentos anticonvulsivantes, muitas vezes por esquecimento quanto a tomada das doses, é uma das principais causas de recorrência das crises. Não existe risco zero para a ocorrência de outras crises. O tratamento tem o objetivo de minimizar esse risco ao mínimo, e é ajustado para o contexto e histórico de cada paciente individualmente. Para que seu risco de crises seja o menor possível, é importante fazer acompanhamento médico regular e seguir à risca o tratamento prescrito. Estabeleça horários regulares para a tomada das medicações e utilize lembretes para não se esquecer. Desejo sucesso com o tratamento!

Pergunta: "Quando eu era criança fiz uma mistura de bife de fígado, maçã, bolacha recheada, creme de maracujá...tudo isso no jantar, daí fui assistir televisão e me deitar.Quando meu irmão viu eu estava tendo uma crise convulsiva.
Fiz exames de ressonância, eletroencefalo e não dá nada.Porque aconteceu isso?"

Resposta: Uma crise convulsiva é a manifestação de uma descarga neuronal excessiva e sincronizada de um grupo de neurônios no nosso cérebro.

Existem vários tipos de crises epilépticas, e os sintomas decorrentes podem ser muito variados.

Algumas pessoas tem uma ou poucas crises isoladas na infância. Uma das principais causas para esse tipo de crise, que não se repete mais após certa idade, não compromete o desenvolvimento neurológico, a atividade de base no EEG é normal e a ressonância não mostra anormalidades, seria um traço genético que causa predisposição aos neurônios a um estado de excitabilidade maior, e isso ocorre durante uma certa faixa etária do desenvolvimento cerebral na infância. Após certa idade, com a maturidade da rede neuronal, as crises cessam.

Existem outros fatores que podem desencadear crises convulsivas, como febre, traumatismo, intoxicações, etc.

E realmente, às vezes, com os recursos disponíveis atualmente, não conseguimos descobrir a causa do problema.

Resposta: A mielite transversa é caracterizada por inflamação de um segmento da medula espinhal, com maior ou menor extensão, que resulta em uma síndrome de combinação variável de fraqueza muscular, alterações de sensibilidade e disfunção autonômica (alteração do controle da bexiga, continência fecal e função sexual), que ocorrem abaixo do nível da lesão medular.

Existem várias doenças que podem causar mielite transversa. Exemplos incluem doenças infecciosas, paraneoplásicas, tóxicas, auto-imunes sistêmicas e desmielinizantes, como esclerose múltipla e neuromielite óptica.

Em algumas situações, com os exames realizados, por serem insuficientes ou realizados em momento não oportuno, não é possível identificar a causa exata do problema.

De fato, em 15 a 30% dos pacientes, mesmo com a realização de todos os exames possíveis, nenhuma causa será identificada, e esse quadro será chamado de mielite transversa idiopática.

Eventualmente, segunda opinião de especialista poderia ser útil.

Pergunta:

Resposta:

PERGUNTAS & RESPOSTAS

"Olá...faço uso de Topiramato 50mg(Amato) a 1 ano ,período esse indicado pelo meu neutro.Porém gostaria de saber como funciona a questão de se abandonar a medicação(no meu caso devido ao tempo que ele me prescreveu que foi de 1 ano)...ela deve ser gradativa, ou seja ,diminuindo as doses aos poucos ? Em caso de romper o tratamento de uma hora para outra o que pode haver de consequências?"

Boa tarde! Nos tratamentos neurológicos com medicamentos como o topiramato, tanto o aumento da dose quanto a sua diminuição e suspensão devem ser feitos de gradual. Este é um medicamento que pode ser utilizado para várias condições clínicas distintas, e o risco de sua descontinuação seria a recorrência dos sintomas da doença em tratamento. O importante é não descontinuar o medicamento sem orientação médica Faça o acompanhamento de forma regular, para que a suspensão seja feita em momento oportuno e seguro.Desejo sucesso em seu tratamento!Abraço!

"Meio comprimido de primidona para tremor essencial corta o efeito do Anticoncepcional?"

A primidona pode afetar sim o efeito da pílula contraceptiva! Sugiro que converse com seu neurologista e ginecologista sobre o assunto o quanto antes! Abraço!

"Tive uma crise ha 45 dias, desde entao estou com medo de ter outra e passo muito mal. Eu operei de MAV em 2009 com sucesso. A convulsao foi porque esqueci de tomar o remedio. Agora estou tomando carbamazepina de 200, 3 vezes ao dia e depakene de 250 duas vezes ao dia. Existe alguma perigo ainda?"

A falha no uso dos medicamentos anticonvulsivantes, muitas vezes por esquecimento quanto a tomada das doses, é uma das principais causas de recorrência das crises. Não existe risco zero para a ocorrência de outras crises. O tratamento tem o objetivo de minimizar esse risco ao mínimo, e é ajustado para o contexto e histórico de cada paciente individualmente. Para que seu risco de crises seja o menor possível, é importante fazer acompanhamento médico regular e seguir à risca o tratamento prescrito. Estabeleça horários regulares para a tomada das medicações e utilize lembretes para não se esquecer. Desejo sucesso com o tratamento!

Pergunta: "Quando eu era criança fiz uma mistura de bife de fígado, maçã, bolacha recheada, creme de maracujá...tudo isso no jantar, daí fui assistir televisão e me deitar.Quando meu irmão viu eu estava tendo uma crise convulsiva.
Fiz exames de ressonância, eletroencefalo e não dá nada.Porque aconteceu isso?"

Resposta: Uma crise convulsiva é a manifestação de uma descarga neuronal excessiva e sincronizada de um grupo de neurônios no nosso cérebro.

Existem vários tipos de crises epilépticas, e os sintomas decorrentes podem ser muito variados.

Algumas pessoas tem uma ou poucas crises isoladas na infância. Uma das principais causas para esse tipo de crise, que não se repete mais após certa idade, não compromete o desenvolvimento neurológico, a atividade de base no EEG é normal e a ressonância não mostra anormalidades, seria um traço genético que causa predisposição aos neurônios a um estado de excitabilidade maior, e isso ocorre durante uma certa faixa etária do desenvolvimento cerebral na infância. Após certa idade, com a maturidade da rede neuronal, as crises cessam.

Existem outros fatores que podem desencadear crises convulsivas, como febre, traumatismo, intoxicações, etc.

E realmente, às vezes, com os recursos disponíveis atualmente, não conseguimos descobrir a causa do problema.

Resposta: A mielite transversa é caracterizada por inflamação de um segmento da medula espinhal, com maior ou menor extensão, que resulta em uma síndrome de combinação variável de fraqueza muscular, alterações de sensibilidade e disfunção autonômica (alteração do controle da bexiga, continência fecal e função sexual), que ocorrem abaixo do nível da lesão medular.

Existem várias doenças que podem causar mielite transversa. Exemplos incluem doenças infecciosas, paraneoplásicas, tóxicas, auto-imunes sistêmicas e desmielinizantes, como esclerose múltipla e neuromielite óptica.

Em algumas situações, com os exames realizados, por serem insuficientes ou realizados em momento não oportuno, não é possível identificar a causa exata do problema.

De fato, em 15 a 30% dos pacientes, mesmo com a realização de todos os exames possíveis, nenhuma causa será identificada, e esse quadro será chamado de mielite transversa idiopática.

Eventualmente, segunda opinião de especialista poderia ser útil.

Pergunta: "Olá...faço uso de Topiramato 50mg(Amato) a 1 ano ,período esse indicado pelo meu neutro.Porém gostaria de saber como funciona a questão de se abandonar a medicação(no meu caso devido ao tempo que ele me prescreveu que foi de 1 ano)...ela deve ser gradativa, ou seja ,diminuindo as doses aos poucos ? Em caso de romper o tratamento de uma hora para outra o que pode haver de consequências?"

Resposta: Boa tarde! Nos tratamentos neurológicos com medicamentos como o topiramato, tanto o aumento da dose quanto a sua diminuição e suspensão devem ser feitos de gradual.

Este é um medicamento que pode ser utilizado para várias condições clínicas distintas, e o risco de sua descontinuação seria a recorrência dos sintomas da doença em tratamento.

O importante é não descontinuar o medicamento sem orientação médica

Faça o acompanhamento de forma regular, para que a suspensão seja feita em momento oportuno e seguro.

Desejo sucesso em seu tratamento!

Abraço!

Pergunta: "Minha mãe tem 76 anos, a uma mês ela teve Herpes Zoster. A Herpes já cicatrizou e praticamente não tem mais marcas porém ela sente muita dor no corpo, principalmente na região atingida pela Herpes. Qual tratamento mais indicado? Obrigada"

Resposta: A neuralgia pós-herpética é um quadro de dor crônica que persiste no local onde ocorreu o herpes-zóster, sendo uma complicação frequentem em pacientes idosos. A dor gera intenso sofrimento e piora na qualidade de vida. Existem tratamentos eficazes para o controle da dor que podem ser prescritos pelo neurologista. O medicamento escolhido depende das características do quadro e condição clínica do paciente. Agende uma consulta o quanto antes!

Pergunta: "Meu esposo tem epilepsia e faz uso do Topiramato 200miligramas por dia a alguns anos. Porem ele teve uma crise muito forte e por alguns minutos lapso de memoria a medica indicou o Depakene mas ainda não trocamos o remedio.
Esse medicamento Depakene evita a convulsao? Essa doença tem cura?"

Resposta: Depakene é o nome comercial do medicamento ácido valpróico, o qual é um anticonvulsivante, ou seja, age nos circuitos neuronais, reduzindo a excitabilidade e reduzindo a chance da ocorrência de crises epilépticas nas pessoas com epilepsia. Existem vários tipos de epilepsias e inúmeros tipos de crises epilépticas. Para cada uma temos medicamentos anticonvulsivantes que podem ajudar e alguns que podem piorar. A epilepsia é uma doença crônica, e como toda doença crônica, dizemos que há controle, ou seja, ficar livre de crises em uso dos anticonvulsivantes. Mas o efeito do medicamento dura poucas horas, por isso é muito importante o tratamento regular. Existem alguns tipos de epilepsias em que as crises deixam de ocorrer com o tempo, às vezes sendo possível até suspensão completa da medicação de forma gradual. Em outras, o tratamento é por tempo indeterminado. Trocas e ajustes de medicamentos fazem parte da rotina, mas o importante é seguir com um bom especialista para que tudo corra bem!

Contato do consultório:

Contato para Ligação e  WhatsApp: (31) 98292-1336

©2019 by Dr. Guilherme Marques - Médico Neurologista. Proudly created with Wix.com